31 de julho de 2014

Como se eu estivesse revirando fotografias antigas





     Olá, meu nome Amanda, tente imaginar uma garota de cabelos cacheados, de moletom, debaixo dos cobertores digitando. Sim, essa sou eu. Se você está lendo este post, provavelmente é um  leitor antigo e me conheceu quando eu ainda era Pipoquinha, se você é um leitor novo, seja bem-vindo.
     Não sei o que me deu pra vim aqui, as coisas mudaram, estou digitando mais rápido, o Painel do Blogger mudou, os blogs mudaram, mas sei lá, gosto de ver coisas antigas, e resolvi entrar no meu antigo blog que criei quando tinha 11 anos. Vamos voltar um pouquinho no tempo.
     Eu tinha 11 anos, minha melhor amiga era a Gabi, eu tinha outras 4 amigas, lia muito romance, e era uma garota apaixonada. Ficava imaginando como seria o meu primeiro beijo, como seria quando eu estivesse no ensino médio, queria ser bailarina, e criei um blog por bobeira, apenas por hobbie mesmo. Eu adorava música clássica e tinha um quê intelctual de quem sabe a diferença entre uma literatura francesa e literatura britânica.
     Agora aqui estou eu. 15 anos. Meu Deus, tenho 15 anos. Já posso ser do tipo de pessoa que diz "há dez anos atrás...", tudo bem, não é como se eu estivesse criando rugas, ou um cabelo branco estivesse aparecendo no topo da minha cabeça, mas ainda assim.
      Eu já beijei, meu primeiro beijo foi horrível, tenho mais amigas que os dedos das minhas mãos podem contar, a Gabi continua sendo minha melhor amiga, eu viajei pra Disney, fui à Nova York, eu abracei o Mickey. Sim, eu abracei o Mickey. Fui em um show do Paul Mccartney, e sinceramente, foi o melhor show da minha vida.Hoje em dia me chamam de Brotinho, porque continuo sendo pequena, não sonho mais em ser bailarina, e vai fazer 4 meses que não entro em uma sala de balé. Hoje em dia eu leio Harry Potter e O senhor dos Anéis. Perdi esse ar de intelectualidade, porque enfim, não sou tão inteligente assim. O Ensino médio não é um bicho de sete cabeças e eu continuo sem namorado. A única coisa que me aquece em dias frios, é o meu cobertor e chá. Não tive nenhum cachorro depois da Lilica e falar dela ainda faz meus olhos encherem de lágrimas. Minha playlist não tem só música clássica, agora escuto Beatles e bandas que ninguém conhece. Meu melhor amigo é paulista e eu na verdade nunca o vi pessoalmente. O futuro está batendo na minha porta, preciso decidir que curso quero fazer, o que vai ser da minha vida daqui a três anos, afinal se quinze anos passaram tão rápido, quem dirá três. E eu tenho medo. Muito medo.
     Tenho medo de quando eu voltar aqui no blog e disser, "meu deus, tenho 20 anos, sim, 20 anos", por isso acho que vim aqui, porque sei que aquela garota de 11 anos que sonhava com seu primeiro beijo ainda está em cada texto, no layout, em cada letra desse blog. O mesmo motivo pelo qual eu guardo textos e fotos antigas, que ainda tenho a minha conta de um site de playlists antigo, que ainda tenho alguns bilhetinhos que eu escrevi pro único garoto que eu gostei minha vida inteira, mas que nunca tive coragem de entregar. É como se eu mantivesse aquela garota viva, e vim aqui é visitar ela, dizer um "oi! Olha só como eu estou, você vai conseguir passar por todas essas coisas, relaxe, Pipoquinha".
     Ainda lembro da Lary, da Bia do Minha Leituras, da Tiffany que gostava de Hannah Montana, e de uma garota chamada Geronda que gostava de Beatles como eu e queria casar com o príncipe Harry.
     A verdade é que acho que nem tudo ainda está tão perdido. Continuo rindo das mesmas bobagens, ainda me apaixono por personagens de livros de romance e o Paul ainda é o meu Beatle predileto. Eu ainda falo sozinha, assisto filmes antigos e finjo que estou gripada pra não ir pra aula. Ainda escrevo cartas pra Amelie, minha amiga fantasma, ainda gosto da minha estante organizada. E exatamente como o about da coluna ali do lado diz, eu ainda sou Ariana e gosto de citações de livros e filmes e pessoas famosas. Ainda concordo com a Coco Chanel quando ela diz que a maior inteligência ainda é pensar com a própria cabeça. A diferença, é que agora tenho uma varinha da Mione e uma caneca com chá e leite na minha mão.
        Ainda escrevo textos longos e pego imagens aleatórias do We Heart It. E se você veio aqui e leu o texto até o final, só tenho a agradecer. Esse blog faz parte de mim, de verdade (continuo melancólica do mesmo jeito).
       É isso amores,
                          beijinhos (isso nunca muda)
Até algum dia ;)

2 comentários:

Beatriz disse...

Pipoquinha! Saudade de vc! Fico feliz em saber que ainda lembra de mim, porque com certeza também lembro de vc, já que seu blog foi um dos primeiros que conheci :)
Eu também sou assim, gosto de ver minhas coisas de uns anos atrás, ver a diferença do que eu era antes e do que sou agora, a mesma, porém um pouquinho mudada. Também tenho certo medo, receio, do futuro que preciso escolher, quanta responsabilidade, escolher em três anos o que você provavelmente fará por um bom tempo na vida.

Bem, fiquei feliz ao ler esse post, continue passando por aqui de vez em quando!

Bjs, Bia

Maitê Amorim disse...

CARACA, quanto teeempo!! Nem acreditei quando vi um post teu no painel! Teu blog foi o primeiro que comecei a acompanhar e gostei, dá uns oizinhos por aqui de vez em quando, sim! E ah, VOCÊ FALOU TANTO DO PAUL nesse post que eu tive que vir aqui só pra dizer que ele é propriedade minha. privada. Fui no show dele aqui em Recife também! Incrível como ele ainda tem energia de 18tão hahahah